Escolha uma Página

Neste blog, discutirei um estudo controlado randomizado bem projetado. O objetivo do estudo foi verificar se a combinação de terapia comportamental com terapia medicamentosa teve um resultado melhor do que terapia comportamental ou medicamentosa isolada em homens com sintomas de bexiga hiperativa.

A síndrome da bexiga hiperativa (BH) é definida pela Sociedade Internacionl de Continência (ICS) como urgência urinária, geralmente com frequência urinária e noctúria, com ou sem incontinência urinária de urgência. Os sintomas podem ser tratados com medicamentos e / ou intervenções comportamentais, como fisioterapia. A terapia comportamental pode consistir, por exemplo, no treinamento do músculo do assoalho pélvico e da bexiga. Os medicamentos prescritos possuem diferentes mecanismos de funcionamento. Os bloqueadores α trabalham na saída da bexiga reduzindo o tônus muscular liso e o grupo de antimuscarínicos inibe as contrações detrusoras.

Este estudo teve como objetivo comparar três opções de tratamento (figura 1):

 

Figura 1: grupos

Critério de inclusão:

– Homens com ≥40 anos

– 9 ou mais micções em 24 horas

 

Critérios de exclusão:

por exemplo: obstrução de evacuação, infecções do trato urinário, câncer (lista completa no suplemento do artigo em texto completo)

Para garantir grupos iguais, eles formaram 4 grupos diferentes e foram randomizados dentro desses grupos (figura 2)

 

Figura 2: randomização

IUU = incontinência urinária de urgência, BH = síndrome da bexiga hiperativa

 

TRATAMENTO

 

  1. Terapia comportamental + terapia medicamentosa (combinação): combinação das duas terapias abaixo.
  2. Terapia medicamentosa: tolterodina (antimuscarínica) + tamsulosina (bloqueador α). Após 3 semanas, os participantes foram questionados sobre os efeitos adversos e a adesão ao medicamento.
  3. Terapia comportamental (3 sessões na linha de base, 2 e 4 semanas): treinamento muscular do assoalho pélvico, treinamento da bexiga / técnicas de supressão de impulso.

Treinamento muscular do assoalho pélvico: Uma contração correta dos músculos do assoalho pélvico foi verificada com palpação anal e observação do uso dos músculos abdominais. A duração da contração foi baseada na capacidade individual de contrair os músculos do assoalho pélvico. Foi aumentada até uma contração de 10 segundos com igual tempo de descanso. Os homens tiveram que realizar 15 contrações, 3 vezes por dia, totalizando 45 contrações.

Técnicas de treinamento da bexiga / supressão do desejo: Adiar a micção, técnicas de supressão do desejo e aconselhar a parar de beber 3 horas antes de dormir e durante a noite (noctúria).

 

MEDIDAS

 

– Diário de miccional (linha de base, 6 semanas, 12 semanas) com Indevus Urgency Severity Scale para cada episódio de nulidade e incontinência.

– Questionário de bexiga hiperativa (incômodo dos sintomas e qualidade de vida relacionada à saúde)

– International Prostate Symptom Score (frequência de sintomas do trato urinário inferior)

– Pergunta de satisfação do paciente:

o Percepção do paciente sobre o resultado do tratamento

o Melhoria percentual estimada

o Percepção global de melhoria

– Adesão à terapia medicamentosa e terapia comportamental.

 

Resultado primário:

 

– Frequência da micção

Resultado secundário:

 

– Urgência

– Incontinência

– Noctúria

 

RESULTADOS

 

No total, 204 homens foram randomizados e incluídos na intenção de tratar a análise. No total, 183 homens completaram o protocolo.

– Terapia comportamental sozinha, n = 71, 8 desistências (idade média; 63,3)

– Terapia medicamentosa isolada, n = 68, 7 desistências (idade média; 65,5)

– Terapia combinada, n = 65, 6 desistências (idade média; 63,2)

Às 6 semanas, a terapia combinada mostrou o melhor resultado. No entanto, não significativamente melhor do que a terapia comportamental sozinha. Às 12 semanas, o resultado para os 3 grupos foi o mesmo (figura 3 e tabela 1).

Desfecho primário: frequência de micção

behavioural therapy=terapia comportamental, drug therapy= terapia medicamentosa, combined therapy= terapia combinada 

Tabela 1: variação percentual:

  6 semanas 12 semanas
Terapia comportamental 24,7 31,6
terapia medicamentosa 12,7 27,1
Combinação 30,5 32,2

Resultados secundários em 12 semanas:

  • Noctúria: diminuição significativa em todos os grupos. Melhor resultado em terapia combinada, pior resultado em terapia medicamentosa sozinha.
  • Escores médios de urgência; diminuição significativa no grupo de terapia combinada. Não é significativo nos grupos isolados de comportamento e terapia medicamentosa.

Incontinência; diminuição significativa em todos os grupos. A terapia combinada é superior. Linha de base 6.6 episódios / semana, 12 semanas 1,2 episódios / semana (mudança 81,8%)

  • Questionário de bexiga hiperativa e escore internacional de sintomas da próstata; diminuição significativa em todos os grupos. Terapia combinada melhor resultado.
  • Classificações globais dos pacientes:

Percepção de melhora do paciente (melhor ou muito melhor): nenhuma diferença entre os grupos

– Percentual de pacientes completamente satisfeitos após 12 semanas: sem diferença entre os grupos

  • Insuficiência de efeitos adversos

sem efeitos adversos + nem um pouco incômodos;

– 6 semanas: terapia comportamental; 86%, terapia medicamentosa; 32%, terapia combinada; 34%

– 12 semanas: terapia comportamental; 48%, terapia medicamentosa; 35%, terapia combinada; 37%

 

Conclusão dos autores:

 

A combinação de terapia comportamental e medicamentosa (grupo de combinação) obteve os melhores resultados em 6 semanas em relação à frequência de micção, noctúria e incontinência quando comparada à terapia medicamentosa isolada. No entanto, não houve diferença significativa apenas com a terapia comportamental. Como a terapia combinada teve mais eventos adversos do que apenas a terapia comportamental, os autores afirmam que começar com terapia comportamental em homens com OAB é uma escolha razoável. Após as 6 semanas iniciais, os homens podem discutir com seu médico (tomada de decisão compartilhada) se desejam adicionar terapia medicamentosa ou não.

 

Minha opinião pessoal:

 

Este é um estudo controlado randomizado e bem projetado, que confirma o efeito positivo da terapia comportamental em homens com síndrome da bexiga hiperativa.

Para nós, fisioterapeutas pélvicas, é bom saber que esta pesquisa existe, porque podemos discuti-la com nossos médicos consultores e responder a perguntas de pacientes sobre terapia medicamentosa.

Há informações muito mais detalhadas no artigo original. Portanto, se você tiver acesso ao artigo em texto completo, poderá ver os números exatos.

 

Referência:

Burgio KLKraus SRJohnson TM 2ndMarkland ADVaughan CPLi PRedden DTGoode PS. Effectiveness of Combined Behavioral and Drug Therapy for Overactive Bladder Symptoms in Men: A Randomized Clinical Trial. JAMA Intern Med. 2020 Jan 13. doi: 10.1001/jamainternmed.2019.6398. [Epub ahead of print]

Share This