Escolha uma Página
Na prática diária, a dor nas articulações sacroilíacas é uma queixa comum. Existem dois tipos de testes para: 1. provocar dor ou 2. testar a disfunção / mobilidade da articulação sacroilíaca.

Até hoje não há consenso sobre a existência de movimento articular sacroilíaco. Cerca de 20 anos atrás, algumas revisões sistemáticas sobre a confiabilidade e validade dos testes de mobilidade articular sacroilíaca foram publicadas. Eles mostraram que os testes não eram confiáveis ​​ou válidos.

Enquanto isso, novos testes foram desenvolvidos e a revisão sistemática que discutirei hoje tem o objetivo de atualizar as revisões sistemáticas anteriores. As recomendações ainda estão em vigor?

 

MÉTODO

Para esta revisão sistemática, foram seguidas as diretrizes de itens de relatório preferenciais para revisões sistemáticas e meta-análises (PRISMA). Foram incluídos estudos que relatam propriedades clinimétricas dos testes de mobilidade da articulação sacroilíaca, que podem ser utilizados na prática diária. Os testes tiveram que ser testados; adultos com dor lombar inespecífica, dor na cintura pélvica e / ou dor nas articulações sacroilíacas.

As normas baseadas em consenso para a seleção de instrumentos de medida de saúde (COSMIN) foram usadas para avaliar a qualidade dos estudos. Com o COSMIN, você pode pontuar, por exemplo, confiabilidade, validade de conteúdo, validade estrutural, validade de critério e capacidade de resposta. Cada item é pontuado em uma escala de 4 pontos: excelente, bom, justo e ruim. Nesta revisão sistemática, apenas os estudos selecionados com um escore de qualidade geral razoável ou superior foram considerados para extração de dados.

As propriedades de medição dos testes foram …. em uma síntese de melhor evidência. Baseia-se no grupo de trabalho de notas de recomendação, avaliação, desenvolvimento e avaliação (grupo de trabalho GRADE) ajustado.

RESULTADOS

Doze estudos foram incluídos e avaliados. Onze estudos descreveram a confiabilidade e dois a validade dos testes de mobilidade da articulação sacroilíaca. Confiabilidade, validade definida

Três estudos de confiabilidade foram de boa qualidade metodológica e, portanto, incluídos. Todos os três relataram no inter-testador e dois na confiabilidade intra-testador. A confiabilidade de oito testes de mobilidade foram descritos e um de um agrupamento de quatro.

De quais testes estamos falando (alguns têm links para filmes do YouTube):

  1. Teste de clique e clique. O paciente está sentado em pé no banco. O paciente passa da lordose para a cifose na coluna lombar. O examinador palpa a velocidade de cada coluna ilíaca superior posterior (PSIS). O teste é positivo se um dos PSIS se move mais devagar do craniano para o caudal.
  2. Teste de flexão em pé
  3. Teste de flexão sentado
  4. Teste Gillet
  5. Teste de flexão de joelho propenso
  6. Teste do banco do calcanhar. O paciente está sentado em pé no banco. O paciente levanta um joelho e coloca o calcanhar no banco sem usar as mãos. A capacidade de levantar a perna é pontuada em uma escala de 5 pontos.
  7. Teste de abdução. O paciente está deitado de lado. Os quadris e os joelhos são flexionados. O paciente é solicitado a levantar 20 cm da perna superior em abdução. A capacidade de levantar a perna é pontuada em uma escala de 5 pontos.
  8. Teste da coluna ilíaca superior posterior do polegar (PSIS). O paciente está sentado em pé no banco. Os braços estão cruzados. O examinador palpe o PSIS. A posição do PSIS é pontuada.

 

Os autores classificaram o nível de evidência como baixo (confiabilidade entre testadores). Isso se deve ao fato de que em cada teste, apenas um estudo foi realizado o suficiente (razoável) para ser incluído na revisão sistemática. A exceção foi o teste Gillet. Porém, para o teste de Gillet, o nível de evidência foi inconsistente.

O estudo que examinou o cluster do teste de Gillet, o teste de flexão em pé, o teste de flexão sentada e o teste de flexão prona do joelho mostrou maior confiabilidade (concordância justa a moderada em quatro testes positivos). Mas devemos ter em mente que isso se baseia em apenas um estudo.

 

Implicações clínicas para fisioterapeutas (pélvicos)

A revisão que discuti hoje não encontrou estudos de validade com pelo menos uma metodologia justa. No entanto, os autores levantam a hipótese de que a palpação da mobilidade articular sacroilíaca pode ser impossível porque:

  1. O movimento das articulações sacroilíacas é muito pequeno
  2. Variação na anatomia da articulação sacroilíaca
  3. Os tecidos moles podem distorcer a precisão da palpação

Esta revisão sistemática é uma atualização de uma revisão sistemática de 20 anos. Confirmou que não há necessidade de ajustar a presente recomendação para não usar testes de mobilidade da articulação sacroilíaca na prática clínica.

 

Minha opinião pessoal

Além da recomendação de não usar esses testes e do conhecimento de que a mobilidade da articulação sacroilíaca não pode ser testada clinicamente, eu também gostaria de afirmar que é muito importante que os fisioterapeutas usem as palavras certas na comunicação com o paciente. Por exemplo, não use palavras como: rígido, limitado ou mobilidade, porque isso simplesmente não pode ser testado.

 

Reference:

Klerx SPPool JJMCoppieters MWMollema EJPool-Goudzwaard AL. Clinimetric properties of sacroiliac joint mobility tests: A systematic review. Musculoskelet Sci Pract. 2019 Nov 9:102090. doi: 10.1016/j.msksp.2019.102090. [Epub ahead of print]

Share This